Bíblia e Exegese

Toda a Escritura é inspirada por Deus

Um estudo em 2 Timóteo 3.14-17

11/1/2011 14:57:41

3 Comentário(s)

Imprimir artigo

 

Toda a Escritura é inspirada por Deus

Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste 15 e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

1. INTRODUÇÃO
Os versos 10-17 de 2Timóteo 3 formam um único parágrafo, subdividido em duas partes: v.10-13 e v.14-17. Cada uma dessas partes inicia-se com a partícula adversativa  συ δε su de, “tu porém”. Há assim um nítido contraste entre aquilo que Paulo descreveu sobre os falsos mestres (v.1-9), e sua orientação a Timóteo (v.10-17). Os falsos mestres naufragaram na fé (1Tm 1.19). Mas o jovem Timóteo deve continuar na fé.

Observa-se ainda que cada uma das partes do parágrafo em questão tem uma temática: na primeira (v.10-13), Paulo exorta Timóteo a seguir seu exemplo, enquanto que na segunda parte (v.14-17) o apóstolo convoca o jovem presbítero a continuar firme nas Escrituras. Há uma lição aqui: antes de Timóteo olhar para a Palavra de Deus, ele deve o olhar ao exemplo do homem de Deus. Como se diz, nós, cristãos, somos uma Bíblia viva. Antes de pedirmos para as pessoas olharem aos valores das Escrituras, nós mesmos devemos transpirar esses valores mediante o nosso exemplo de vida.
Nosso estudo se concentra nos versos 14-17. Vejamos então o que a Palavra de Deus nos ensina nesses versículos.

2. ANÁLISE

V.14
“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado...”. Timóteo não só aprendeu das Escrituras, mas foi também “inteirado”. Este termo, πιστοω pistoo, aqui significa “ser firmemente persuadido de”, dando o sentido de convencimento. “Note que aprender não basta. O que se aprendeu deve ser aplicado pelo Espírito Santo ao coração, para que também se chegue ao convencimento, com uma convicção que transforme a vida.” 1

Paulo alista duas razões porque Timóteo precisava permanecer na fé. A primeira é: “sabendo de quem o aprendeste”. De quem Timóteo aprendeu? Certamente de sua avó Lóide e de sua mãe Eunice (2Tm 1.5), as quais ensinaram Timóteo “desde a infância”. Não só elas, mas também Paulo contribuiu para a edificação da fé do jovem presbítero (v.10; cf. 1.13; 2.2).

V.15
A segunda razão porque Timóteo precisava permanecer na fé é que, “desde a infância”, ele conhecia “as sagradas letras”. Timóteo era uma ilustração de Pv 22.6. Foi instruído na Palavra, desde pequeno. E agora, é instado por Paulo a continuar nessa fé. No AT aprendemos que era dever dos pais contar aos filhos os grandes feitos de Deus na história de Israel (Dt 6.1-4). A páscoa era uma celebração caseira, através da qual se ritualizava aquela noite em que Deus libertou seu povo da terra da escravidão. Assim, o êxodo deveria ser lembrado por todas as gerações de israelitas (veja Ex 12). Infelizmente hoje é cada vez menor o número de pais que transmitem os valores cristãos aos filhos. Os pais deveriam se espelhar no exemplo de Eunice, mãe de Timóteo.
  
“A expressão que podem fazer-te sábio, que talvez reflete o uso da LXX no Salmo 19:7 (“dá sabedoria aos simples”), contrasta com a ‘insensatez’ e com os ‘enganos’ dos falsos mestres (vv.9,13).” 2 É através das Escrituras que alcançamos a maturidade e sabedoria necessárias para uma vida cristã autêntica. Quando ignoramos os valores da Palavra de Deus nos enveredamos por um caminho de insensatez, no qual o fim certamente é a morte.

V.16
“Toda a Escritura é inspirada por Deus”. Alguns comentaristas seguem a tradução da Vulgata: “Toda Escritura, inspirada por Deus, é útil.” Essa tradução tem uma implicação: nem toda a Escritura é útil, mas somente aquela que foi inspirada por Deus. Assim, somente algumas partes da Escritura teriam sido inspiradas. Entretanto, a melhor construção gramatical é aquela que considera o termo “inspirada” não como um atributivo, mas como predicativo do sujeito γραφη graphe, “Escritura”.3  “Inspirada”, como o termo “útil”, é um adjetivo de “Escritura”. Entre esses dois adjetivos existe um conetivo “e” (grego kai), o que significa que  “Paulo está afirmando duas verdades sobre a Escritura, a saber: que ela é inspirada e que ela é útil, não somente uma dessas duas coisas”.  Portanto, o texto está afirmando a inspiração plenária das Escrituras, ou seja, cada uma das partes da Palavra provém do sopro de Deus, e tem autoridade definitiva sobre a nossa conduta e fé.

“Inspirada por Deus”. No grego, trata-se de uma única palavra: θεοπνευστος  theopneustos, composta por duas outras palavras: theos (“Deus”) e pneo (“respirar”). A príncipio, parece que o termo não tem haver com inspiração, mas expiração, pois literalmente significa “soprado por Deus”; assim, “‘aspiração’ ou mesmo ‘expiração’ exprimiria com maior exatidão o sentido do adjetivo grego5. Mas a explicação abaixo elucita melhor isso:

"Mesmo que pudesse ser demonstrado que a ideia ativa de Deus soprando seu fôlego nas Escrituras é preferível, nada impediria que houvesse uma forte visão da inspiração, contando que essa inspiração ocorresse de uma vez por todas no momento da redação do texto. A ideia principal então seria que graphe é um termo totalmente permeiado pelo sopro divino.” ;6
Paulo continua sua argumentação, dizendo que, além de inspirada, a Escritura é “útil...”. Esta palavra é a tradução de ωφελιμος ophelimos, “lucrativo” . Este termo grego provém de opheleo, “proveitoso”, “benéfico”. “Um paralelo significativo é encontrado em Hebreus 4.2, onde as boas novas não ‘beneficiaram’ ou ‘foram proveitosas’ para os que as ouviram, porque a mensagem não encontrou fé por parte dos ouvintes.”8

Portanto, a Escritura tem autoridade divina (inspirada) e beneficia aqueles que a leem com fé (útil). A partir disso, podemos perceber quatro objetivos da Escritura:

A Escritura é inspirada e útil “para o ensino”. Atentemos para o termo διδασκαλια  didaskalia, “ensino”. A Escritura tem autoridade divina para reger nosso ensino e doutrina. Ela é a nossa única regra de fé e prática. Nas epístolas pastorais, Paulo preocupava-se com a falsa doutrina que se infiltrava na Igreja (1Tm 1.3), e convocou tanto Timóteo como Tito a zelarem pelo ensino e sã doutrina (1Tm 1.10; 4.13; 5.17; Tt 2.1).

A Escritura é inspirada e útil “para a repreensão”. A palavra grega ελεγχος elegchos “repreensão” alude à “verificação, pela qual algo é provado ou testado” .  Em Mt 18.15 e 1Tm 5.20 o mesmo termo é usado, sugerindo arguição ou convencimento a respeito do pecado. Essa deveria ser nossa postura com a Bíblia: quando confrontados com a Palavra, somos provados e verificados a tal ponto que, caso haja em nós algo que desabone a vontade de Deus, somos convencidos do erro. Mas não somente nosso pecado é confrontado. O texto continua:

A Escritura é inspirada e útil “para a correção”. O termo aqui (επανορθωσις  epanorthosis) denota “restauração a um estado correto”. “Se repreensão enfatiza o aspecto negativo da obra pastoral, a correção enfatiza o lado positivo. O pecador deve não só ser advertido a abandonar a vereda errada, mas ser também guiado na vereda certa ou reta (Dn 12.3). Isto também ‘toda Escritua’ é capaz de fazer.” 10

A Escritura é inspirada e útil “para a educação na justiça”. O termo παιδεια paideia tem um sentido muito rico. Pode ser traduzido por “instrução”; “disciplina”, como em 2.25 e Ef 6.4. Para alguns comentaristas, “corresponde a ‘corrigir’, em seu aspecto positivo”11 . Mas em Tt 2.11-14 paideia ganha o sentido de treinamento para uma vida santa e reta. A “justiça”, pois, teria o sentido de “boas obras”, como em 2.21-22. Isso ficará mais explícito no verso 17.

Portanto, as Escrituas são o nosso manual de doutrina (“para o ensino”); Ela examina se há em nossa vida algum pecado (“para repreender”), nos dirige a um caminho reto (“para a correção restaura um”), e nos prepara para vivermos a vida marcada por um caráter segundo o coração de Deus (“para a educação na justiça”).

 

V.17
“a fim de que o homem de Deus seja perfeito”. O homem de Deus, aqui nas epístolas a Timóteo, é uma referência ao ministro do evangelho (1Tm 6.11), mas por extensão pode ser aplicado aos cristãos em geral. A palavra αρτιος artios, “perfeito”, alude a algo completo, da mesma forma que εξαρτιζω exartizo, “perfeitamente habilitado”. A Escritura vai trabalhando em nossa vida de tal forma que nosso caráter vai sendo completado com a perfeição que existe em Cristo, e assim, como Cristo, estaremos preparados “para toda boa obra” (1Tm 5.10; 2Tm 2.21; Tt 3.1). O Espírito Santo “não se satisfaz enquanto a Palavra de Deus não cumprir plenamente sua missão e o crente não tiver alcançado a ‘medida da estatura da plenitude de Cristo’ (Ef 4.12,13)”.  12

Por vezes ouvimos crentes dizendo que não estão preparados para realizarem alguma coisa em prol do Evangelho. Entretando, a Escritura desafia todos os crentes a estarem preparados para a execução das boas obras. Há outros que, quando indagados por um descrente sobre a fé, dizem não saber, e que vão procurar resposta com o pastor. Está mais que na hora de tais cristãos se conscientizarem da necessidade que têm de amadurecimento, através da “espada de dois gumes”, que é a Palavra de Deus.

3. CONCLUSÃO
Paulo desafiou Timóteo a permanecer na fé. Ele insistiu “na lealdade de Timóteo à sua vocação ministerial, ao próprio Paulo e a Cristo e seu evangelho, incluindo o ensino das Escrituras. Timóteo deve permanecer leal a despeito do sofrimento e em face da oposição.” 13

Timóteo deveria manter fidelidade ao ensino de Paulo. Tal ensino tinha autoridade divina. Assim também, em face de tantos ventos de doutrinas atuais, precisamos renovar nosso compromisso com a Palavra de Deus. Não se trata de um compromisso somente com uma verdade objetiva, mas com uma verdade que transforma nossa conduta e nos prepara para vivemos uma vida justa em meio a uma sociedade corrupta.

___________________________________________________________

NOTAS:
1 HENDRIKSEN, William. 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2001, p.363 (Comentário do 
  Novo Testamento).
2 FEE, Gordon D. 1 e 2 Timóteo, Tito. São Paulo: Editora Vida, 1994, p.294 (Novo Comentário Bíblico Contemporâneo).
3 Para uma discussão mais pormenorizada, veja FEINBERG, Paul D., “O significado da inerrância”, em GEISLER, 
  Norman (organizador), A inerrância da Bíblia – Uma sólida defesa da infalibilidade das Escrituras. São Paulo: Editora 
  Vida, 2003, p.331-332. 
4 STOTT, John. Tu, porém – A mensagem de 2 Timóteo. São Paulo: ABU Editora, 1982, p.45 (versão digital). 
5 STOTT, John. Tu, porém – A mensagem de 2 Timóteo, p. 45.
6 FEINBERG, Paul D., “O significado da inerrância”, p.331. 
7 STRONG, J., & Sociedade Bíblica do Brasil. 2002; 2005. Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong. Sociedade
  Bíblica do Brasil.
SPAIN, Carl, Epístolas de Paulo a Timóteo e Tito. São Paulo: Editora Vida Cristã, 1980, p.166.
STRONG, J., & Sociedade Bíblica do Brasil. 2002; 2005. Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong. Sociedade
   Bíblica do Brasil.
10 HENDRIKSEN, William. 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, p.373. 
11 FEE, Gordon D. 1 e 2 Timóteo, Tito. p.295. 
12 HENDRIKSEN, William. 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, p.374. 
13 FEE, Gordon D. 1 e 2 Timóteo, Tito. p.295.

 

  • 3 COMENTÁRIO(S)

Marcos Paulo Soares | Mauriti/Ce | 11/09/2011 00:26:47
Nunca tinha notado que a construção grega em 2 Tm 3:16 possui tanto o nome como os dois adjetivos relacionados a ele anartros. Isso possibilita, como você mencionou tão bem, classificá-lo como adjetivo de uso atributivo ou de uso predicativo, o contexto imediato e remoto da passagem nos guiam a admitir como correto o uso predicativo. Boa!!! Artigo simples mas cheio de conteúdo em tratar de um assunto tão importante para qualquer cristão ortodoxo. Parabéns, professor!!!
Karla Melo | Eunápolis/BA | 26/03/2014 20:57:38
Caro irmão da fé em Cristo, poderia me esclarecer se com os versículos abaixo ainda é necessário a guarda dos 10 mandamentos ou objetivamente o do 4º mandamento? Cristo veio redimir-nos da lei. v.24,31­ Estas cousas são alegóricas: porque estas mulheres são duas alianças uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão esta é Hagar... E assim, irmãos, somos filhos não da escrava, e, sim, da livre. Ap 12:17 - ...os que guardam o mandamento de Deus e tem o testemunho de Jesus... 1Jo 3:23 - O mandamento de Deus é este: que creiamos em o nome de seu Filho e nos amemos uns aos outros. Aquele que guarda os seus mandamentos permanece em Deus e Deus nele. Porque o amor vem de Deus e todo o que ama é nascido de Deus. Todo o que ultrapassa a doutrina de Cristo, não tem Deus. 2 Jo 9. Jo 15:10-12. Um pouco de fermento leveda toda a massa.
Alexandre da Hora | São Paulo/SP | 27/05/2014 08:43:55
Acabo de orar a Deus conforme esta escrito em João 16:24 Até agora nada pedistes em meu nome pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra. Então! Pedi sabedoria... e acabo de ler este conteudo tão maravilhoso. Na epistola de Paulo ao Timóteo. E ouço a voz do Espirito Santo dizendo, eis ai a sabedoria, da atençao a este conteudo, e siga as instruções, que terás sabedoria. Amém, Glória a Deus... Amado que Deus possa sempre bradar coisas grandes com respaldo biblico, em seu coração, e com humildade possa alcançar vidas que amam a palavra de Deus assim como eu amo, em todo lugar que esta mensagem possa cheguar. João 15:20 Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. Eu recebo para que se cumpra as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo. A Paz do Senhor Jesus Cristo, e continue sendo Pentecostal... Amém

 

  • DEIXE SEU COMENTÁRIO

[máximo 1000 caracteres]

Você já digitou: 0 caracteres.

 

  • AUTOR

Luciano R. Peterlevitz

Luciano R. Peterlevitz

Luciano Robson Peterlevitz é professor de Hebraico Bíblico e Antigo Testamento na Faculdade Teológica Batista de Campinas. Mestre em Ciências da Religião, na área de Literatura e Mundo Bíblico, pela Universidade Metodista de São Paulo. É editor da Revista Theos - Revista de Reflexão Teológica da Faculdade Teológica Batista de Campinas - www.revistatheos.com.br). É pastor da Missão Batista Vida Nova, em Nova Odessa, desde 2005.

 

  • VEJA MAIS ARTIGOS DESTE ARTICULISTA