Teologia histórica

A expiação limitada e sua formulação na história

26/06/2017 11:24:47

0 Comentário(s)

Imprimir artigo

 

A expiação limitada e sua formulação na história Introdução

A morte de Cristo na cruz é um dos cernes do Cristianismo. Seu sacrifício foi expiatório, ou seja, removeu a culpa e promoveu reconciliação entre Deus e os homens pecadores, que pelo sangue vertido na cruz foram purificados e reaproximados do Santíssimo. A barreira que nos separava foi então removida. A Escritura nos revela que a humanidade se separou do Criador desde que Adão, representando toda a raça humana, pecou e foi expulso da presença de Deus. Mas ainda no relato da queda, na promessa que ficou conhecida como protoevangelium (vide Gênesis 3.15), foi dito ao homem que haveria um descendente que traria consigo a redenção.

Em Romanos 5, o apóstolo Paulo coloca Cristo como sendo o segundo Adão, aquele que por meio de seu sacrifício trouxe a vida e reconciliação, enquanto que o primeiro Adão trouxe desgraça e morte. Em termos pactuais, podemos dizer que entre os dois cabeças federais, aqueles que não estão em Cristo continuam sob a maldição adâmica, pois, são violadores da lei divina. Todavia, os que estão em Cristo, livres estão da condenação, pois, são “reconciliados com Deus pela morte de seu Filho” (Rm 5.10).

No entanto, sabemos que nem todos gozarão de comunhão com Nosso Senhor. Parte da humanidade não se salvará da ira vindoura, e seu estado de rebelião os levará à condenação. Tal constatação só é negada por teólogos universalistas, que entendem que todos, sem nenhuma exceção, virão a ser salvos. Todavia, arminianos e calvinistas seguem o que diz a Escritura a respeito da condenação dos que não crerão em Cristo e na mensagem do evangelho (João 3.18). Sendo assim, uma questão surge: Se Cristo morreu para perdoar os pecados dos homens, mas muitos homens serão condenados, logo, este sacrifício não é de todo abrangente. Daí a importante pergunta: Por quem Cristo morreu?

Algumas teorias da expiação

Antes de adentramos na chamada Expiação Limitada, que corresponde ao terceiro dos conhecidos Cinco Pontos do Calvinismo, precisamos ver que no desdobramento da doutrina cristã, vários teólogos tiveram concepções distintas acerca do caráter expiatório da morte de Cristo.

Na patrística, a expiação ainda não era uma doutrina bem definida e os teólogos da época escreveram coisas não muito importantes acerca do assunto. É preciso reconhecer que temas como o Cânon, a Trindade e as naturezas de Cristo, consumiam a maior parte do tempo do labor teológico. Berkhof (1992, p.151) chega a fazer a seguinte declaração, usando expressões do teólogo Hugh Mackintosh:
Se tivéssemos de nomear quaisquer teorias que caracterizaram o período patrístico grego, salientaríamos o que Mackintosh chama de “a grande doutrina exotérica da expiação na Igreja grega”, ou seja, que foi pago um resgate ao diabo; e também o que ele apoda de “a teoria esotérica do recapitulatio ".1
Dentre os pais latinos, nem mesmo Agostinho, o maior de todos eles, engendrou algo mais sistematizado acerca da obra expiatória de Cristo. A sistematização desta doutrina se dará a partir da obra de Anselmo de Cantuária, intitulada Cur Deus Homo2  (século XI). Nesta obra brilhante em erudição, Anselmo trata sobre os questionamentos mais agudos de seu tempo. Algo do tipo: “por que Deus não desfez as obras do pecado de uma maneira instantânea e mais fácil, dada a sua onipotência?” Para dar resposta a este tipo de indagação, Anselmo vai tratar da honra de Deus, e nisso consistirá o cerne de seu argumento. Hoton (2014, p.115) resume este argumento da seguinte maneira:
Como um rei desprezado pelos atos aviltantes de um subalterno, Deus deve ter um tributo apropriado para compensar a afronta de sua honra. Dada a infinitude da majestade de Deus, a penalidade deve ser infinita e somente um substituto infinito pode satisfazê-lo.
Assim, o Pai aceita o sacrifício voluntário de seu Filho para que a Sua desonra não ficasse impune. Diante da realidade do pecado, punição e satisfação seriam as únicas alternativas e Deus escolheu satisfazer sem punir a raça humana com o extermínio. Daí a necessidade da encarnação. Pois, se para desfazer a desonra de um ente infinito, o próprio Filho que é da mesma essência do Pai – eternamente gerado – cumpriu este papel. Por outro lado, ele também deveria ser humano, pois, da raça humana veio à ofensa.
Foi mister que o Deus-homem prestasse a obediência que o homem deixara de prestar a Deus. Todavia isso não era bastante para manter a honra de Deus, pois, ao assim fazer, Ele nada mais faria do que Seu dever como homem, e isso não poderia constituir mérito de Sua parte. Entretanto, na qualidade de ser impecável Ele não estava sob a obrigação de sofrer e morrer. Isso foi algo inteiramente voluntário de Sua parte; e ao submeter-Se a amargos sofrimentos e a uma morte ignominiosa, no fiel desencargo de Seu dever para com Seu Pai, Ele trouxe glória infinita a Deus (BERKHOF, 1992, p. 156).
Embora tenha sido um avanço para a época, o ensino de Anselmo possui fraquezas exegéticas e não pode ser visto como sendo igual à formulação da substituição penal feita pelos reformadores - séculos mais tarde. Mesmo tendo o mérito de focalizar a ofensa do pecado para com Deus, Anselmo reduz a expiação a um tratado econômico entre o Pai e o Filho sem fazer o devido relacionamento com os pecadores. Ademais, Berkhof (1992, p. 157) nos adverte que a doutrina de Anselmo
(a) Erroneamente apresenta a punição e a satisfação como alternativas, dentre as quais Deus poderia escolher, (b) Não deixa lugar para a idéia que, em Seus sofrimentos, Cristo suportou a penalidade devida ao pecado, pois reputa os sofrimentos de Cristo como um tributo voluntário à honra de Deus, um mérito supérfluo que teria servido para compensar pelos deméritos alheios. Na realidade, essa é a idéia católico-romana da penitência, aplicada à obra de Cristo, (c) É ela incoerente porque parte do princípio ou costume da “lei privada”, segundo o qual o lado prejudicado podia exigir qualquer satisfação que achasse por bem, e então, a fim de estabelecer a absoluta necessidade da expiação, dá um salto para o ponto de vista da lei pública, (d) E exposição unilateral, pois baseia a redenção exclusivamente sobre a morte de Cristo, negando a significação expiatória de Sua vida. (e) Apresenta a aplicação dos méritos de Cristo ao pecador como se fora transação meramente externa. Não há qualquer indício da união mística entre Cristo e os crentes.
Um crítico da teoria anselmiana foi Abelardo, mas sua teoria da influência moral fez com que a expiação fosse mais reduzida ainda. Para Abelardo, a morte de Cristo serviu como um exemplo de amor capaz de influenciar os homens a responderem a Deus com amor. É nessa resposta que o homem encontra remissão. Como é notável, trata-se de um ensinamento subjetivo, carente de profundidade e que tripudia dos atributos da justiça e da santidade divina. A teoria de Abelardo, levada as últimas consequências, negará a divindade eterna de Cristo, não por acaso, ela é precursora do protestantismo liberal e de uma visão Iluminista do cristianismo.
Especialmente em Immanuel Kant, a morte de Cristo pode somente oferecer um motivo para o arrependimento, mas é o nosso próprio arrependimento que, no final, efetua nossa redenção. Uma vez que uma salvação radical não é necessária, não é necessário também um salvador divino (HORTON, 2014, p. 117).
No período medieval, o que veremos - até que surja a Reforma - são ideias sincréticas acerca da expiação. Tomás de Aquino, por exemplo, tem traços de Anselmo e de Abelardo em suas formulações. Ele chega a alegar que havia uma necessidade para a expiação e que esta iria sanar a dívida do pecador para com Deus, mas, não vê essa necessidade como inerente da justiça e santidade do SENHOR, ao invés disso, ela é necessária apenas porque Deus estabeleceu que este fosse o método para a reparação do pecado, sendo algo inerente a vontade divina e não aos seus atributos. Temos aqui um enfraquecimento do que Anselmo postulou acerca da necessidade de um sacrifício expiatório.

Os reformadores e a expiação

Para os reformadores, havia uma questão penal para que Cristo realizasse a sua obra expiatória. Aprofundando a teoria de Anselmo, os reformadores transferiram o argumento privado que falava em honra ferida e colocaram numa esfera pública, quando ao afirmarem que o homem quebrou a conhecida lei de Deus, e por isso precisava pagar o preço pela sua transgressão. Assim, para os reformadores não há uma escolha entre satisfação e punição. Uma coisa não exclui a outra e a justiça de Deus foi satisfeita através da punição vicária de Cristo, tal como Paulo escreveu aos coríntios: “Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).
Portanto, a Reforma opta pela doutrina da substituição penal, no qual Cristo voluntariamente se entrega para morrer no lugar dos pecadores, sofrendo a punição como se fosse um pecador, mesmo sem ter cometido nenhum pecado. Letham (2007, p. 125) é didático ao expor a necessidade penal da expiação. Ele diz:
Deus tem que punir o pecado, não por causa de qualquer constrangimento externo, mas devido a quem ele é e o que é o pecado. Se o pecado ficasse impune, isso seria às custas da santidade de Deus. Além do mais, a justiça da nossa salvação seria minimizada, pois nosso perdão fluiria do mero esquecimento, e não de uma resolução definitiva e final a esse respeito.
Cristo como o substituto de seu povo, assumindo a culpa pelos seus pecados, é um assunto que domina a Escritura e que tem no sistema sacrificial judaico, no Antigo Testamento, uma sombra daquilo que o Filho de Deus realizaria no Calvário. O israelita ofertava o animal em sacrifício por conta do pecado. O ofertante era culpado, mas através da imposição de mãos, a sua culpa era transferida a oferta. O sacerdote então sacrificava o animal e aspergia o seu sangue sobre o Propiciatório. O ofertante ficava livre da culpa. O autor da Carta aos Hebreus trata disso. No capítulo 10, lemos que todo o antigo sistema sacrificial apontava para o sacrifício de Cristo, não passando de sombras. Por isso que ano após ano os sacrifícios se repetiam, mas quando Cristo é imolado como o cordeiro pascoal, os pecados são removidos de uma vez por todas, de modo que não há mais necessidade de sacrificar. Letham (2007, p. 127) endossa: 
(...) o caráter vicário do sistema sacrificial do Antigo Testamento era plenamente evidente. Uma pessoa peca e é culpada; um animal morre e a pessoa fica livre porque esse animal é morto em seu lugar. Nós também pecamos e estamos sob o juízo de Deus. Cristo toma o nosso lugar e morre em nosso favor (vicariamente), recebendo o nosso pecado e suas consequências, e assim somos libertados.
Calvino ao tratar da obra de Cristo, ecoa a teoria de Anselmo, mas não segue as riscas a formulação do monge beneditino. Uma das contribuições originais de Calvino foi ensinar que
a eficácia salvífica da expiação não estava limitada à morte de Cristo. Ela se estendeu por “todo o curso de sua obediência”. . Assim, o nascimento, a vida, os ensinos e os milagres de Cristo, junto com seu ) sofrimento e morte, pertencem à sua obra de expiação. “Enfim, desde que Se revestiu da pessoa de servo, começou a pagar o preço de [nossa] libertação a fim de redimir-nos” (Inst., II, xvi, 5). De fato, não há disjunção alguma entre a morte de Cristo na cruz e seu contínuo ministério de intercessão à direita do Pai. O fruto da morte de Cristo é sempre novo e duradouro para os cristãos, pois “mediante sua intercessão ele propicia Deus para nós e santifica nossas orações pelo aroma de seu sacrifício, socorrendo-nos pelo beneplácito de sua advocacia”. (GEORGE, 1994, p. 221)
Outro aspecto que deve ser dito sobre a posição de Calvino é que ele também trata do caráter subjetivo da expiação e seus efeitos na vida do cristão. Ele ensina que o crente se apropria da morte de Cristo e, em resposta a ela, busca viver uma vida de obediência. “Essa apropriação da obra de Cristo na vida do cristão é o tema do terceiro volume das Instituías, que Calvino intitulou ‘a maneira de ser recebida a graça de Cristo, e que frutos daí nos provenham, e que efeitos se sigam’” (GEORGE, 1994, p. 222).

Dort e a expiação limitada

A teoria conhecida por Expiação Limitada tem a sua formulação influenciada pela doutrina da eleição calvinista. É nesse pressuposto que surge a compreensão de que Cristo não morreu por toda a humanidade, mas apenas para os eleitos, conforme nos diz o próprio Jesus: “eu dou a minha vida pelas suas ovelhas” (João 10.15). Cristo é o mediador do seu povo, conforme disserta Horton (2014, p. 127):
Nos eternos conselhos da Trindade (o pacto da redenção), o Pai elegeu um certo número dentre toda raça humana e deu a Seu Filho como seu guardião e mediador, com o Espírito empenhando-se para trazê-lo a Cristo a fim de receber todos os benefícios da sua mediação.
Este entendimento aceito por toda a tradição reformada começa a ser questionado com o surgimento do arminianismo, que defenderá a expiação universal, ou seja, que Cristo morreu por todos os homens. Mas utilizando-se de inferência lógica, se Cristo morre vicariamente e assume nossa culpa e punição, bebendo o cálice da Ira do Pai para livrar toda a humanidade da condenação, logo todos seriam salvos. Só que uma parte da humanidade provará do cálice da Ira no inferno, pagando pelos seus próprios pecados. Sendo assim, o sacrifício de Cristo - que visava à salvação de todos os homens - foi ineficiente, já que alguns não se salvarão?

Os arminianos respondem o questionamento alegando que o sacrifício de Cristo oferece a base para a remissão, mas é necessário que o pecador responda com fé ao evento da cruz, caso contrário perecerá em seus delitos e pecados. Para eles, “A morte de Cristo criou a oportunidade para o exercício da fé salvadora, mas isso foi tudo quanto ela conseguiu” (PACKER, 1992 p. 13). Dito isto, Anglada (2009, 66) é feliz na seguinte afirmação:
Os calvinistas limitam a expiação apenas no que diz respeito à sua extensão; os arminianos, por sua vez, a limitam, como vimos, no que diz respeito ao seu poder, ao seu valor inerente e a sua eficácia, visto que apenas torna possível a eleição de todos, mas não assegura realmente a salvação de ninguém.
O Sínodo de Dort, convocado em 1 de novembro de 1618, surgiu por conta da controvérsia religiosa causada pelos alunos de Jacó Armínio. Como o Estado holandês subscrevia a Confissão Belga e o Catecismo de Heidelberg, os arminianos fizeram a defesa de seus pontos, alguns anos após a morte de Armínio.  Ficaram conhecidos como os “remonstrantes” por reapresentar as ideias de seu falecido mestre  no Parlamento, e o debate religioso gerou controvérsias que ameaçavam a unidade da Igreja.

O Sínodo teve uma amplitude internacional. Além dos ministros das igrejas reformadas dos Países Baixos, houve a representação de vinte sete igrejas estrangeiras. Os participantes do sínodo rejeitaram os cinco pontos dos remonstrantes e materializaram a oposição num documento conhecido como os Cânones de Dort, que passou a ser adotado, juntamente com a Confissão Belga e o Catecismo de Heidelberg como sendo as três formas de unidade das igrejas reformadas. Em resposta a doutrina arminiana, os artigos dos cânones deram origem ao que chamamos hoje de Os Cinco Pontos do Calvinismo. Dentre eles, a expiação limitada, afirmando que o valor da obra de Cristo, apesar de ser suficiente para expiar os pecados de todo o mundo, eficazmente remiu apenas os eleitos.
Dort estava repetindo uma fórmula comum: “suficiente para o mundo inteiro, mas eficiente somente para os eleitos”. Essa fórmula é encontrada em vários sistemas medievais, inclusive nos escritos de Aquinas, Gregório de Rimini e o mentor de Lutero, Johann von Staupitz. Como a fórmula indica, essa visão não limita a suficiência ou disponibilidade da obra salvífica de Cristo. Antes, ela defende que a intenção específica de Cristo quando foi para a cruz era a de salvar seus eleitos (HORTON, 2014, p. 126).
No capítulo segundo dos Cânones, artigo 8, lemos com clareza a posição adotada pelo  sínodo acerca da eficácia da expiação:
Pois este foi o soberano conselho, a vontade graciosa e o propósito de Deus o Pai, que a eficácia vivificante e salvífica da preciosíssima morte de seu Filho fosse estendida a todos os eleitos. Daria somente a eles a justificação pela fé e por conseguinte os traria infalivelmente à salvação. Isto quer dizer que foi da vontade de Deus que Cristo por meio do sangue na cruz (pelo qual Ele confirmou a nova aliança) redimisse efetivamente de todos os povos, tribos, línguas e nações, todos aqueles e somente aqueles que foram escolhidos desde a eternidade para serem salvos, e Lhe foram dado pelo Pai. Deus quis que Cristo lhes desse a fé, que Ele mesmo lhes conquistou com sua morte, junto com outros dons salvíficos do Espírito Santo. Deus quis também que Cristo os purificasse de todos os pecados por meio do seu sangue, tanto do pecado original como dos pecados atuais, que foram cometidos antes e depois de receberem a fé. E que Cristo os guardasse fielmente até ao fim e finalmente os fizesse comparecer perante o próprio Pai em glória, "sem mácula, nem ruga" (Ef 5:27).3
Owen e os Puritanos

Não só os reformados de tradição holandesa adotaram a doutrina de que a expiação é efetiva apenas aos eleitos. A tradição escocesa e os puritanos também aderiram à ideia de uma redenção particular. No século 17, John Owen, escreve A Morte da Morte na morte de Cristo, e como afirma Packer (1992, p. 3) “seu intuito é mostrar, entre outras coisas, que a doutrina da redenção universal é antibíblica e destrutiva para o evangelho”.

Usando vários textos bíblicos e argumentações lógicas, Owen chega a resumir sua defesa com o seguinte esquema :4

O Pai impôs Sua ira devido a, e o Filho suportou o castigo por, um dos três:

1. Todos os pecados de todos os homens.

2. Todos os pecados de alguns homens, ou

3. Alguns dos pecados de todos os homens.

No qual caso pode ser dito:

a. Que se a última opção for a verdadeira, todos os homens têm alguns pecados pelos quais responder, e assim, ninguém será salvo.

b. Que se a segunda opção for a verdadeira, então Cristo, no lugar deles sofreu por todos os pecados de todos os eleitos no mundo inteiro, e esta é a verdade.

c. Mas se a primeira opção for o caso, porque nem todos os homens são livres do castigo devido para os seus pecados?

Você responde: Por causa da incredulidade. Eu pergunto: Esta incredulidade é um pecado, ou não é? Se for, então Cristo sofreu o castigo devido por ela, ou não. Se Ele sofreu, por que este pecado deve impedi-los mais do que os seus outros pecados pelos quais Ele morreu? Se Ele não sofreu por tal pecado, Ele não morreu por todos os seus pecados!
A obra escrita em quatro capítulos faz uma defesa sólida e consistente, dita irrefutável por muitos teólogos que o sucederam. O terceiro capítulo, em especial, é tido como o mais importante, por conta de seus dezesseis fortes argumentos que desconstroem o ensino arminiano da expiação universal.5

A expiação limitada também foi formulada nos documentos de Westminster. A assembleia que aconteceu entre 1643 e 1649, contou com 121 pastores dos mais capazes com o intuito de reestruturar a igreja inglesa, sendo convocada pelo próprio Parlamento inglês para elaborar novos padrões doutrinários, litúrgicos e administrativos. A maioria dos membros da Assembleia eram puritanos, e por isso, o diretório de culto, os catecismos maior e menor e a confissão de fé oriundas de Westminster são consideradas obras do puritanismo inglês. Vejamos a Expiação Limitada presente nos presentes textos:

•    O Senhor Jesus, pela sua perfeita obediência e pelo sacrifício de si mesmo, sacrifício que pelo Eterno Espírito, ele ofereceu a Deus uma só vez, satisfez plenamente à justiça do Pai. e para todos aqueles que o Pai lhe deu adquiriu não só a reconciliação, como também uma herança perdurável no Reino dos Céus. (Confissão de Fé de Westminster, Capítulo VIII, artigo V).

•    Quem são feitos participantes da redenção mediante Cristo?

A redenção é aplicada e eficazmente comunicada a todos aqueles para quem Cristo a adquiriu, os quais são nesta vida habilitados pelo Espírito Santo a crer em Cristo conforme o Evangelho (Catecismo Maior de Westminster, pergunta 59).

Conclusão


Como visto até aqui, a tradição reformada não compactua com a ideia da expiação ilimitada, vendo-a como uma distorção do ensinamento bíblico, uma vez que nos é dito na Bíblia que a morte de Cristo efetivamente salva. Obviamente, ainda hoje encontramos objeções a ideia de que Jesus morreu apenas pelos seus eleitos, sobretudo nas igrejas evangélicas que adotam uma confissão arminiana. Alguns ditos calvinistas de “quatro pontos” também não abraçam a redenção particular, o que chega a ser uma incongruência, já que existe uma amarração argumentativa lógica no transcorrer dos cinco pontos elaborados em Dort.

À guisa de conclusão, finalizo com a seguinte citação de Horton (2014, p. 133):
A todos que creem em Cristo, declaramos com as Escrituras que já estão salvos da ira de Deus, da morte e do inferno. Sua salvação não é potencial, mas real. Não são salváveis, mas salvos. Não é algo que eles ainda vão completar para tornar efetivo por sua decisão ou esforço, mas para ser recebido como uma dádiva.
Referências bibliográficas:

ANGLADA, Paulo. Calvinismo: As Antigas Doutrinas da Graça. Ananindeua-PA: Knox Publicações, 3ª ed, 2009.
BERKHOF, Louis. A História das Doutrinas Cristãs. São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992.
GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores. São Paulo: Edições Vida Nova, 1994.
HORTON, Michael. A Favor do Calvinismo. São Paulo: Editora Reflexão, 2014.
LETHAN, Robert. A Obra de Cristo. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2007.
PACKER, J.I. O Antigo Evangelho. São José dos Campos-SP: Editora Fiel, 2ª ed.1992.

___________________________
1Ensino originário de Irineu, um dos pais apostólicos grego que viveu no século II, onde afirma que Cristo passou por todos os estágios da vida humana, resistindo a todo tipo de  tentação, morrendo e sagrando-se  vitorioso sobre a morte e o diabo. Na recapitulação, entende-se que Cristo reúne em si toda a humanidade, restaurando o que Adão perdeu.
2Do latim, Porque Deus se fez Homem.
3Disponível em http://www.monergismo.com/textos/credos/dort.htm
4Utilizo uma tradução feita pelo Felipe Sabino, disponibilizada no site Monergismo.com http://www.monergismo.com/textos/expiacao_limitada/porquem.htm
5Os 16 argumentos podem ser lidos no blog Bereianos: http://bereianos.blogspot.com.br/2014/04/16-argumentos-que-mostram-que-cristo.html

 

  • 0 COMENTÁRIO(S)

Seja o primeiro a comentar.

 

  • DEIXE SEU COMENTÁRIO

[máximo 1000 caracteres]

Você já digitou: 0 caracteres.

 

  • AUTOR

Thiago Oliveira

Thiago Oliveira

É graduado em História e especialista em Ciência Política, ambos pela Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso). É casado e atualmente pastoreia a Igreja Evangélica Livre em Itapuama/PE".

 

  • VEJA MAIS ARTIGOS DESTE ARTICULISTA